domingo, 1 de novembro de 2020

Livros sobre Tunas

 Eis alguns livros/obras que é possível descarregar gratuitamente e que ajudam a compreender o fenómeno das Tunas/Estudantinas.



CLIQUE NA IMAGEM DO LIVRO QUE PRETENDE.


















sexta-feira, 30 de outubro de 2020

LIVRO: A Tuna nas Trincheiras da Grande Guerra (1914-1918)

 Uma obra inédita que se debruça sobre o fenómeno das Tunas/Estudiantinas que se constituíram nos cenários da frente ocidental da I Guerra Mundial.


DOWNLOAD GRATUITO (Pdf):

https://drive.google.com/file/d/1CEzyMddV2dtXROdC3J00t0BaQuugzLrC/view


DIZEM DO LIVRO:

"Un magnífico estudio que ya había recomendado y ahora vuelvo a hacerlo por su calidad y solvencia investigativa."

Rafael Asencio

"En la gran Historia de la Tuna hay capítulos que ni siquiera seríamos capaces de imaginar. Uno de ellos es precisamente el que recoge en su nuevo libro el gran investigador Jean-Pierre Silva "A Tuna nas trincheras da Grande Guerra (1914-1918)". Trabajo que nos regala en su versión online ¿Quién podría decirnos que la Tuna podría estar relaciona con uno de los acontecimientos más importantes de la humanidad, como fue la Primera Guerra Mundial?"

                                                                Legajos de Tuna (Revista)

"Magnífico trabajo que aporta una visión totalmente distinta de la Tuna y del conflicto."

                                                               Héctor Valle Marcelino




COMPRA DE EXEMPLAR EM PAPEL: 

https://www.euedito.com/a-tuna-nas-trincheiras-da-grande-guerra-1914-1918.html









sábado, 3 de outubro de 2020

Estudiantina "La Palladienne" (Foto e artigo em jornal de 1933)

 Apesar dos estudos já publicado na obra "A França das Estudiantinas" (2019), é sempre importante complementar, a partir das pesquisas que se fazem e dos dados que vão aparecendo.

Um olhar sobre esta Estudiantina "La Palladienne" que herda a experiência de um primeiro grupo, formado em 1866, soba  denominação "Estudiantina Toulousaine" e de um outro (também na cidade de Toulouse), criado em 1895, sob a denominação de "Les Gay Troubadours" (os alegres trovadores).

O artigo parece, contudo, enfermar alguns lapsos, pois afirma que os dois grupos se fundem em 1898, dando lugar à sociedade "La Palladienne" (em honra de um templo romano dedicado a Pallas que outrora existira na cidade), para depois dizer que as origens da Estudiantina "La Palladienne" remontam a 1886 (ano em que a Estudiantina Toulousaine está em actividade - assim permanecendo até aos dias de hoje- pelo que não é possível tratar-se do mesmo grupo).

Tendo em conta que não é inédito, em França, a criação de grupos com o mesmo nome (numa mesma localidade ou localidades diferentes), poderá ser o caso, embora este artigo de 1933 torne confusa a questão (e não estando isento de imprecisões).

O que o artigo também traz é uma foto inédita do grupo e alguns dados sobre as suas proezas artísticas com 38 primeiros prémios em diversos concurso de música, uma foto do maestro e o anúncio de que dará concerto retransmitido na rádio.

Os dados até agora conhecidos, colocam a "Estudiantina La Palladienne" em 1903, não havendo dela rasto antes dessa data nos periódicos e documentos investigados.


La  Dépêche, N.º 23744, 21 de Agosto de 1933, p.6.




segunda-feira, 14 de setembro de 2020

HISTÓRIA COMPLETA DAS TUNAS E ESTUDANTINAS DA CATALUNHA SÉCULOS XIX E XX, de José Mateo Ycardo e Rafael Asencio González "Chencho ".

 HISTÓRIA COMPLETA DAS TUNAS E ESTUDANTINAS DA CATALUNHA SÉCULOS XIX E XX, de José Mateo Ycardo e Rafael Asencio González "Chencho ".

O livro é colocado à venda pelo preço de 30 € mais 7,7€ de despesas de envio para Portugal e Espanha.
Para obtê-lo, poderá contactar: jmateoy@infonegocio.com

Fazendo constar:
Nome completo;
Endereço;
Código Postal;
Localidade/País.

Por email, receberá os dados para fazer o pagamento. Após confirmação, receberá o livro, por correio, em casa.




Também à venda em:

LIVRARIA MEIOS
C / VALLDONZELLA, N. ou 7
08001 Barcelona
www.Imedios.com
Imedios@Imedios.com

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

À Descoberta da Tuna Portuguesa, Ep. 1 (Conferência)

Embora com problemas de som (dada a distância entre Portugal - emissor e América do Sul - receptor que faz a gravação), procurou-se explicar o mais sucintamente possível em que consistiu a génese e história da Tuna Portuguesa até 1970.

A conferência teve como destinatário o mundo hispano-americano.

Exposição e debate inseridos no ciclo de conferências promovidas por TUDI (Tunos Decanos de Iberoamérica).



segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Tunas Portuguesas em Espanha (1890-1962)

 Muitos estarão familiarizados com o facto de Portugal ter sido visitado por estudantinas/tunas espanholas, sobretudo no virar do séc. XIX para o XX.

Também alguns leitores terão ideia de que existiram visitas de estudantinas/tunas portuguesas a Espanha.

É precisamente este último aspecto que aqui relatamos, numa listagem o mais completo possível.

Já existia anteriormente uma listagem deste género (publicada numa web espanhola), contudo imprecisa (e com referências bibliográficas nem sempre correctas ou devidamente completas). Dizemos "imprecisas", porque, como o exige o método científico e o rigor histórico, é imperativo aferir os dados que são detectados e confirmar se efectivamente as tunas se deslocaram aos locais previstos (e não confundir tal com "está a organizar-se uma tuna para ir...", "está prevista a chegada", "chega no próximo dia...", "é esperada a tuna de...", etc) e se a identificação das mesmas está correcta (para não as confundir e erradamente as nomear ou, até, considerar haver 2 tunas diferentes quando se trata da mesma).


Os dados que aqui se apresentam, foram devidamente escrutinados, aferindo se as deslocações tiveram efectivamente lugar ou não passaram de viagens previstas (e anunciadas) que, por alguma razão, acabaram por não se realizar (e há vários casos desses - que alguns, precipitadamente, colocam como facto consumado).

Eis, pois, a lista da presença das Tunas/Estudantinas portuguesas em Espanha, desde o séc. XIX até 1962 (ou seja até antes do luto académico e do posterior "boom tunante" da década de 1980 ).

Poderá (e é muito provável) estar incompleta, pelo que sempre em aberto para actualizações, assim tenhamos dados devidamente documentados que as validem.

Como se notará, a partir da década de 1930, as visitas e tunas a Espanha vão desaparecendo, a que não será alheio o contexto social e político vivido sob o regime do "Estado Novo" (com o cercear de muitas liberdades e do isolacionismo que caracterizou essa prolongada época de ditadura).

Também é evidente que a larga maioria das deslocações é realizada por 3 tunas: TAUC, TUP e TAL, as tunas de cariz universitário com maior prestígio e longevidade nessa época.


1890

Estudantina/Tuna Portuense em Madrid e Salamanca[1].

 

1891

TAUC (Tuna Académica da Universidade de Coimbra) em Salamanca[2].

 

1892

Tuna Académica do Porto em Santiago de Compostela[3].

 

1895

TAL (Tuna Académica de Lisboa) em Madrid[4].

 

1897

Tuna Académica do Porto em Villagarcía e Santiago[5] .

TAL em Vigo e Tuy[6].

 

1898

TAUC em Villagarcía, Pontevedra e Santiago[7].

Tuna Académica do Porto em Salamanca[8].

 

1900

TAUC em Salamanca  e Valladolid[9].

 

1902

Tuna Académica do Porto em Santiago, La Coruña y  Pontevedra[10];

TAUC em Lugo e Orense[11].

TAL em Salamanca e Valladolid[12].

Tuna Académica do Liceu de Évora em Badajoz e Mérida[13].

 

1903

TAL em Valladolid, Pontevedra e Vigo[14]

 

1904

Tuna Académica do Porto em La Coruña, Santiago e Ferrol[15].

 

1905

Tuna Académica do Porto em La Coruña e Santiago[16]; bem como a Córdoba, Salamanca e Sevilla[17].

TAUC em  Santiago, Ferrol e La Coruña[18].

 

1906

TAL em  Madrid[19].

Tuna Académica do Porto em Vigo[20]

Tuna Académica do Liceu da Guarda em Salamanca e Zamora[21].

TAUC em León, Zamora, Salamanca e Valladolid[22].

Tuna Farense (Faro) em Ayamonte[23].

 




1907

Tuna Académica do Porto em Vigo[24].

TAL em Badajoz[25].

Tuna Farense em Higuerita,Huelva, Cádiz y San Fernando (Andaluzia)[26].

 

1908

Tuna Académica do Porto em Salamanca[27].

TAUC na Galiza[28].

TAL em Salamanca e Valladolid[29].

 

1909

Tuna Aacdémica do Porto em Ferrol[30].

TAL em Salamanca e Valladolid[31].

 

1911

TAUC em Cuidad Rodrigo, Valladolid, Salamanca, Zamora e Badajoz[32].

 

1913

Tuna Académica do Porto em Tuy e La Coruña[33].

 

1923

Tuna Universitaria do Porto em Madrid[34].

TAUC em Valladolid e Madrid[35].

 

1924

Tuna da Escola Politécnica do Porto na Galiza[36].

Tuna Universitaria do Porto em Santiago, La Coruña[37] e Madrid[38].

Tuna da Universidade de Lisboa (será a TAL) em Madrid[39].

 

1925

TAUC em Sevilla, Huelva e Cádiz[40]

 

1926

TAUC em Santiago e Orense[41].

 

1927

TAUC em San Sebastián[42], Valladolid[43] e Bilbao[44]; bem como em  Santander e Salamanca[45] 

 

1928

Tuna Universitaria do Porto em Valladolid, Reus, Tarragona,  Barcelona e Zaragoza[46].

 

1929

Tuna Universitaria do Porto em La Coruña

TAL em Valladolid[47].

 

1930

 TAUC em Vigo[48]

 

1931

TAUC em Orense y Santiago de Compostela[49].

 

1962

TAUC no Certame de Tunas de Oviedo[50].






[4] La Iberia, Año XLII, N.º 14.378, 29 de Dezembro de1895, p. 3; Defensor do Povo, 1.º Ano, N.º 69, de 26 de Dezembro de 1895, p.2.; La Correspondencia de España, Ano XLVI, N.º 13840, de 28 de Dezembro de 1895, p. 1 e N.º 13841, de 29 de Dezembro de 1895, p. 3.; Defensor do Povo, 1.º Ano, N.º 73, de 09 de Janeiro de 1896, p.2.

[6] DN, 43.º Ano, n.º 14.812, 18 de Fevereiro de 1907, p. 3.

[7] Resistência (Coimbra), Ano III, N.º 312, de 17 de Fevereiro de 1897, p.2.; A Liberdade (Viseu), 18 Fevereiro 1898, Ano XXVIII, N.º 1699.; NASCIMENTO e NASCIMENTO – Estudantes de Coimbra em Orquestra: TAUC (1888-1913),  2010, p. 101; Resistência (Coimbra), Ano III, N.º 316, de 03 de Março de 1897, p.2.

[11] Resistência (Coimbra), Ano VIII, N.º 686, de 03 de Abril de 1902, p.2 e N.º 688, de 10 de Abril de 1902, p.3.

[13] ZACARIAS, Adília & MENDES, Isilda Mourato - Tuna Académica do Liceu de Évora - 100 Anos, história e tradições. Évora, TALE, 2012; La Correspondencia de España, Ano liii, n.º 16.391, 23 de Dezembro de 1902, p. 2.; El Imparcial, Ano xxxvi, n.º 12.830, 23 de Dezembro de 1902, p. 4; Correio Nacional, Ano XI, N.º 3230, de 15 de Dezembro de 1903, p.1.

[18] Resistência (Coimbra), Ano X, N.º 981, de 19 de Fevereiro de 1905, p.2 e N.º 982, de 23 de Fevereiro de 1905, p.3.

[21] El Lábaro, xxvi Ano, n.º 8.662, 6 de Fevereiro de 1906.; El Adelanto, 17 de Fevereiro de 1909, p. 1; El Lábaro, 21 Fevereiro de1906, p. 4; El Lábaro, Año X, N.º 2714, de 26 de Fevereiro de 1906, p. 3; La Época. Ano lviii, n.º 19.961, 26 de Fevereiro de 1906, p. 4; El Lábaro, Ano X, N.º 2716, de 28 de Fevereiro de 1906, p. 2.

[24] Diário de Notícias, 43.º Ano, N.º 14.807, de 12 de Fevereiro de 1907, p. 4 e El País (Madrid), Ano XXI, N.º 7129, de 11 de Fevereiro de 1907, p.5.

[28] Qvid Tvnae (2012).

[32] Qvid Tvnae (2012)

[34] El Sol (Madrid), Ano VII, N.º 1779, de 22 de Abril de 1923, p.2 refere que, em Maio, esteve o orfeão do Porto (e, muito provavelmente, supomos, a Tuna); El Orzán, Ano VI, N.º 1552, de 20 de Abril de 1923, p.1.

[35] Gazeta de Coimbra, N.º 898, II Série, 5 Maio 1923, p. 556., La Época, Ano LXXV, N.º 25985, de 10 de Abril de 1923, p.1., La Libertad (Madrid), Ano V, N.º 1048, de 11 de Abril de 1923, p.4.,  e em vários clichés, constantes no Museo Internacional del Estudiante. A TAUC deixou dívidas em Valladolid que foram pagas pelo Cônsul.

[38] SÉRGIO, Octávio - FONSECA, Élio. Blogue Guitarras de Coimbra (Parte II); artigo de 21 de Setembro de 2008. Consulta de 17 de Setembro de 2009.; Revista ORFEÃO, N.º Único do 45.º Aniversário da Fundação do Orfeão Académico e 20.º do Orfeão Universitário do Porto. OUP, Abril de 1957, p.8.

[40] O Algarve, 17.º Ano, N.º 879, de 08 de Fevereiro de 1925, p.2; Diário de Cádiz, 18-02-1925, p.3; ABC, Año XXI, N.º 6906 de 19 de Fevereiro de 1925, p.1 e p.21; Diário de Cádiz, 19-02-1925, p.3 e La Voz (Madrid), Año VI, N.º 1353, de 19-02-1925, p.2; Diário de Cádiz, 19-02-1925, p.3 e La Voz (Madrid), Año VI, N.º 1353, de 19-02-1925, p.2; Diário de Cádiz, 19-02-1925, p.3 e 4; Diário de Cádiz, 20-02-1925, p.2 e 3; Diário de Cádiz, 21-02-1925, p.2.; El Noticiero Gaditano,Año VII, N.º 1932, de 16-02-1925, p.1.; El Sol, Año IX, N.º 2353, de 21-02-1925, p.8.; El Imparcial, Año LIX, N.º 20313, de 18-02-1925, p.5.;

[47] Imagem da revista Nuevo Mundo, de 29 de Abril de 1909 [Acervo pessoal de Jean-Pierre Silva].

[49] El Orzán, Año XIII, N.º 3539, de 19 de Fevereiro de 1931, p.2

[50] Existe cliché do grupo, tirado na viagem de regresso (entre Cuidad Rodrigo e Vilar Formoso), publicado no Blogue Guitarra de Coimbra V; artigo de 13-11-2013